Sin categoría

O que e alimentação evolutiva?

Obviamente, a abordagem de estudar o corpo isoladamente, como um conjunto de sistemas com diferentes funções coexistindo, nos trouxe muitos benefícios; especialmente na luta contra doenças infecciosas. Mas, por sua vez, nos privou de ver outros problemas que estavam começando a se manifestar, permitindo-nos cair nessa atual epidemia de doenças modernas como obesidade, diabetes, hipertensão ou doenças autoimunes; muitos deles são produto de nossa dieta moderna.

Também nos leva a pensar na comida como um conjunto de nutrientes e calorias. Comer se tornou uma complicação terrível, toda hora as pessoas falam em quantidade de calorias, se a comida falta de ferro, mas sobra zinco ou cálcio, fibras e blá blá blá. Observar o que comemos com uma lupa gera uma divisão da população entre as pessoas que contam caloria por caloria, e aquelas que não ligam para o que passa pela boca, porque escolhem o caminho que escolhem, parece que sempre acabam em uma dieta pobre.

Para complicar ainda mais o assunto, novas dietas e recomendações surgem a cada dia respaldadas por ensaios clínicos controlados, que apresentam certas limitações (já que isolam do ambiente a variável que desejam estudar) que apontam para caminhos diversos e nos levam a conclusões equivocadas; que acabam se tornando dogmas indiscutíveis que atingem toda a população.

Atento a esse problema, surge um conceito novo-velho, que aborda a nutrição do ser humano da mesma forma que o faz com o resto da espécie, observando sua alimentação no estado natural. Animais em zoológicos ou reservas ecológicas não são alimentados com nutrientes isolados, mas com o que comem em seu habitat.

A vida no planeta terra nos mostra que as espécies evoluíram e se adaptaram ao ambiente em que se desenvolveram, é simples, aquelas que não se adaptaram não sobreviveram e essa espécie se extinguiu. Portanto, parece lógico pensar que nosso corpo foi se adaptando aos alimentos que tínhamos à disposição, aprendendo a usá-los, tirando deles os nutrientes que nos serviam, descartando os que não tinham; gerando respostas e adaptações biológicas com base nelas.

Embora as diferentes etnias apresentem características próprias marcantes, que as diferenciam; Todos pertencemos à mesma espécie e nossa origem é a mesma. Viemos do mesmo ramo evolutivo, que iniciou a migração e passou a povoar as diferentes partes do mundo. Os diferentes ambientes levaram os novos habitantes a produzir as diferentes variantes genéticas necessárias para se adaptar às suas novas condições de vida. Mas, mesmo assim, essas adaptações não conseguiram modificar completamente a genética original; Estima-se que as variantes genéticas se tornem fixas em toda a população em 2 milhões de anos.

Nesse mundo em que os humanos evoluíram antes da migração (conhecido como era Paleolítica), os alimentos disponíveis eram animais, vegetais, tubérculos, frutas, mel e ovos. A descoberta do fogo, permitiu cozinhá-los, gerando reações químicas que modificaram algumas estruturas moleculares; aumentando uma grande vantagem sobre as outras espécies, uma vez que ajudaram a desenvolver nosso cérebro complexo.

Algum tempo depois, surge a chamada revolução agrícola (dando lugar ao Neolítico), onde alguns grupos de humanos começaram a abandonar seu antigo modo de vida nômade e desenvolveram progressivamente a pastagem e a agricultura. Este processo começou há aproximadamente 10.000 anos, muito pouco tempo em uma escala evolutiva para gerar grandes modificações genéticas.

Há menos de dois séculos, os humanos inventaram produtos ultraprocessados ​​para simplificar ainda mais a alimentação de uma população em constante crescimento. Em princípio não causaram problemas e até nos ajudaram a consumir facilmente alguns nutrientes difíceis de obter da forma tradicional. Mas, por algumas décadas, a indústria de alimentos desenvolveu um poder gigante; Para continuar crescendo e se expandindo, eles aperfeiçoaram os ultraprocessados, de forma que geraram mais dependência no corpo, exigindo maior consumo. (Quantos podem comer apenas uma batata frita e deixar o resto do pacote? Eu não).

Embora com o início da revolução agrícola até os dias atuais certas adaptações tenham sido geradas em parte da população; por exemplo, há pessoas que desenvolveram genética que lhes permite tolerar melhor os cereais e laticínios; Esses milhares de anos não foram suficientes para se adaptar 100% ao consumo de certos alimentos; muito menos aquelas centenas de anos de fast food. Nosso corpo está esperando para receber os alimentos que consumimos em nossos tempos nômades, ele sabe por herança genética como administrá-los e que resposta dar a cada estímulo (não só aos alimentos).

A chamada dieta evolutiva baseia-se neste processo evolutivo, sugerindo uma dieta básica o mais próxima possível do que nossa herança genética espera, sem esquecer que cada corpo é diferente e pode ter maior ou menor tolerância a certas substâncias dependendo de sua árvore genealógica.

Atualmente também existem outras “correntes” irmãs, como a dieta paleo ou a dieta integral30, que se enquadram nas diretrizes da alimentação evolutiva. No entanto, atualmente gosto mais do conceito conhecido como Realfooding, que considero mais adequado ao meu estilo de vida sem me desviar das orientações acima mencionadas. Em artigos futuros falarei um pouco mais sobre eles e como podemos aplicá-los sem complicações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *