Sin categoría

Nutricionistas 2.0

contribuem com algo para a população em geral melhorar sua saúde. Nesta ocasião conheceremos Candelaria Sosa, nutricionista formada pela UBA. Ela faz parte do que chamo de nutricionistas 2.0, uma geração de Graduados em Nutrição que tenta combater a desinformação muito utilizada e às vezes disseminada pela própria indústria de alimentos. Ela vai nos contar um pouco sobre o que pensa e como tenta erradicar o mito de que a alimentação só serve para combater a barriga de cerveja e a celulite. Você pode encontrá-la em sua conta do Instagram como @sosaludable

Fale um pouco mais sobre você. Em que você trabalha?


Eu me dedico a saúde, mais especificamente à nutrição, que não é só o ato de comer, mas tem a ver com a qualidade da alimentação, o contexto e se alinha com a nossa biologia. Desenvolvo a minha atividade num hospital infantil, numa fundação e também de forma privada em meu consultório.

E quais interesses te motivaram a seguir esse caminho?


Sempre me interessei pelos alimentos e como eles podiam melhorar, manter ou piorar a nossa saúde, desde criança lembro-me de ler pacotes, aventurar-me no que escolhia comer. Embora eu tivesse várias carreiras em minha mente na adolescência, depois de descartar outras opções, continuei com a nutrição e não me arrependo de nada.


Há quanto tempo você trabalha ou está envolvido com o mundo da nutrição?


Sempre me interessei e li sobre nutrição, mas que trabalho nisso, desde meu último ano de faculdade em 2018.


Como você conseguiu ser o que você é profissionalmente?


Como cheguei ao que sou profissionalmente? Acho que ainda tenho um longo caminho a percorrer, é uma área que está em constante mudança. Mas a quebra mais importante foi meu último ano de docente nas práticas onde percebi que o modelo aprendido não era o correto e tive que, praticamente, começar a estudar novamente.


-Eu imagino que quando você disse que teve que estudar novamente foi porque você encontrou grandes diferenças entre o modelo que você estudou e a vida real. Principalmente porque todas as variáveis ​​entram em um contexto que as modifica, não são isoladas e não podem ser alteradas sem afetar os outros como nos ensinaram, exatamente o mesmo aconteceu com o meu treinamento.

Também tenho certeza de que os anos de estudo deveriam ter dado frutos, e vejo que pelo menos você conseguiu identificar quais são as diferenças e no que se deve focar para resolver os problemas que surgiram, pode me contar um pouco sobre o que foi mais importante para você? O que mais te surpreendeu ou chocou, a ponto de dizer: Eih, mas quão pouco isso se assemelha ao que estudamos.


Agora me parece estranho dizer isso, mas naquela época me surpreendi como, por exemplo, alguém conseguia se alimentar sem carboidratos (como farinha, macarrão, cereais), seguindo outros modelos de alimentação. Ou melhor, respeitando a dieta ancestral, comendo menos refeições do que estudei na faculdade, incorporando gorduras que tanto cansei de restringir nos planos de alimentação que me davam dever de casa. E ainda, com aquela informação que aparentemente todos sabiam, a epidemia de obesidade e DBT continuava a crescer.

Você acha que atualmente existe um problema sério com uma população em geral que sofre de sobrepeso e obesidade ou desnutrição é apenas uma ilusão?


Eu não considero isso, claro que existe! As últimas pesquisas mostram que mais da metade da população sofre de excesso de peso, o que, ao contrário do que muitos pensam, também reflete a má nutrição.
Por que você acha que a mesma dieta funciona para algumas pessoas e não para outras?


Porque não somos uma máquina. Tem muito a ver com nossa saúde hormonal e com o contexto em que estamos.


– Qual é a primeira coisa que você faz quando chega um novo paciente?


Diga olá 🙂 óbvio. Pergunto porque veio à consulta e indagou sobre o seu dia a dia, não só o que come, mas também em que contexto, como dorme, se se comporta como um humano ou como um robô automático. Muitas vezes com essas perguntas, o objetivo para o qual ele veio muda de rumo.
-Interessante, geralmente as pessoas vão à consulta com a nutricionista porque não gostam do que vêem no espelho; porque querem perder alguns quilos por causa do casamento ou de um parente próximo; ou o clássico “Quero usar esse maiô para o verão” (sem sexismo, essas coisas acontecem também com os homens, embora para alguns seja um pouco mais difícil admitir). Já aconteceu com você que alguém veio com um objetivo dessa natureza e ao questionar você conseguiu mudar completamente o objetivo, você poderia me dar um exemplo.


Hoje em dia a maioria das pessoas que precisam de uma consulta comigo, já sabem de antemão que não sou o nutri típico para o qual você chega a perder esses quilos estéticos, porém, ainda há pessoas que me procuram sem “saber” previamente em redes, e se vai com outras perguntas.
ele passa a associar aquele “ganho de peso” pelo qual veio, com seu estilo de vida em geral.
Não me lembro de nenhum exemplo em particular que seja tão decisivo, mas se acontecer, que quando se trata de me mostrar os exames de sangue, eles antecipam com um “igual, está tudo bem, o médico me disse” e quando enfatizo alguns valores que chamam a atenção, aí está o paciente ele muda de rumo ainda melhor se compromete com sua dieta, e depois do yapa, como consequência, vem a queda de peso.

– O que você considera ser a base das dietas ou planos alimentares que propõe aos seus pacientes?


Comida de verdade, sem dúvida. Respeitando gostos e tolerâncias.

O que você chama de comida de verdade? Porque muitas pessoas ainda não entendem por que alguns alimentos são rotulados como reais e outros não. É fácil entender que um doce como um pirulito não é um alimento de verdade, porém outros casos como pão, macarrão ou hambúrguer, com os quais gerações inteiras foram alimentadas e não parecem causar problemas hoje não são considerados alimentos de verdade, quais O problema é que conheço “pessoas magras” que os consomem diariamente?


Excelente pergunta. Primeiro separe o físico da saúde. Aquele aqui é “magro / magro” não me diz muito. Ser magro não tem nada a ver com como somos por dentro. Às vezes, o ganho de peso costuma ser uma vantagem porque pelo menos nos avisa que algo está errado. Tenho vários pacientes que vêm à consulta porque a análise deles é toda distorcida, me dizendo “Não engordo, faço escolhas erradas e acabo comendo casquinha de batata, comendo pizza no jantar, tomando café com coca” e pronto, podem não engordar, mas os órgãos estão o mesmo para todos e eles são danificados da mesma maneira. Você tem que olhar um pouco mais fundo, além do físico.
Alimentos verdadeiros aqueles que a natureza nos dá, que vêm sem rótulos ou que se os têm, declaram poucos ingredientes como azeite, queijos. Alimentos com pouco ou nenhum processamento. Alimentos embalados, com cores vivas, desenhos e outros slogans cativantes, estão muito distantes de nossa biologia e não foi com eles que chegamos aqui como espécie. Os modos de produção mudaram muito, e nem mesmo os solos vêm com a mesma quantidade de minerais porque não respeitam a rotação de culturas, além de que tudo está sendo modificado desde a semente para poder resistir às ervas daninhas. Tudo isso foi “modernizado”, mas o nosso corpo não, ainda é o mesmo de milhares de anos atrás, então não o reconhece como seu.
Por outro lado, o fato de nossos mapadres / avós comerem e não fazerem nada com eles (ou assim pensamos) não significa que sejamos iguais. Particularmente com esse alimento, o glúten não é o mesmo antes, hoje é muito mais forte, mais modificado da semente para poder resistir na semeadura. Além disso, cada organismo é diferente.


Quais são as estratégias que utiliza com os seus pacientes para que possam melhorar a alimentação?


Fazendo uma mudança de paradigma. Mudar “comer a cada duas horas” para “comer quando estiver com muita fome, mesmo que não coincida com o horário social estabelecido”. Deixe-os se comportar o mais humanamente possível, comendo comida de verdade, movendo-se, descansando.
Minha regra é “comer quando tiver muita fome” além do horário social estabelecido, dessa forma também optamos por alimentos mais saudáveis, e aí conseguimos incorporar alimentos que antes eram impensáveis. De manhã, por exemplo, alguns me dizem que talvez seja demais comer uma omelete no café da manhã. Mas se você estiver com muita fome, vai comer com gosto.


E como vai você com essas pessoas que te falam, mas Cande estou sempre com fome, acabo de comer e depois de um tempo fico com fome e pego algo pequeno para ir para a próxima refeição?


Já aconteceu comigo que sem tentar o plano já me questionavam que eu não colocava lanche. Ou muitas vezes acontece que quando vêem o plano me dizem: “mas se eu não comer de duas em duas horas fico com fome” e isso é comer com os olhos. Eu peço que você me dê uma chance. Vamos primeiro tentar e ver como o progresso está sendo feito.
Não se engane, ninguém vai passar fome. Uma vez que incorporam alimentos mais densos em nutrientes, os mecanismos de saciedade também se estabelecem. Controlar o estresse que muitas vezes o influencia; pondo os pés no chão e passando um tempo conosco, o presente. Obviamente, se persistir, avalia como vem a alimentação, e novamente o contexto, para ver se ela está passando por situações estressantes, se faz muita atividade física, se mantém a mesma atividade por muito tempo, ou seja, muitas vezes para ser o dia todo sentados no pc, talvez para trabalhar, pensamos que estamos com fome, mas quando mudamos de atividade esquecemos essa “fome”.

Quais você considera os fatores que mais influenciam a saúde dos pacientes e por quê?


A grande oferta de mantimentos e o acesso a eles. As poucas informações sobre saúde que não nos permitem fazer uma escolha acertada. Quantas propagandas de produtos vemos na TV? E quantas sobre campanhas de saúde?
E acima de tudo o estresse, seja por um estilo de vida acelerado, excesso de trabalho ou mesmo quarentena. São fatores que também influenciam a forma como digerimos os alimentos.


Há algum mito sobre comida?


Infelizmente, vários mitos ainda existem.

Quais são, em sua opinião, os mais enraizados?
Já em 2020 me perguntam se água com limão na barriga vazia faz perder peso, mito que conseguiu se firmar com força mesmo sem saber que alguém perdeu peso simplesmente por causa disso.
O exercício de força “Realizar exercícios aeróbicos para perder peso” deve ser o principal, pois aumenta a massa muscular tornando-nos mais eficientes metabolicamente. Além disso, se você estiver acima do peso, os exercícios aeróbicos podem danificar suas articulações.


Por que você acha que eles têm tanta força?


Há muitos mitos que continuam a pesar, porque o que o vizinho ou amigo diz sempre conta mais do que a ciência diz. Acho que na população em geral gostamos de acreditar que há mudanças rápidas, alguma pílula ou pó mágico, algo que me traz uma mudança agora, eles preferem acreditar nisso, é mais fácil do que reconhecer que tudo exige esforço, tempo e dedicação.

Inscreva-se e receba as novidades do blog do Papai

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *