Sin categoría

Alimentação evolutiva parte 2

No artigo anterior concluímos que a base de nossa dieta deve ser a mesma de nossos ancestrais nômades (se você ainda não leu, clique aqui). Embora haja evidências científicas de que nos últimos 10.000 anos a humanidade evoluiu de tal forma que conseguiu se adaptar a certos alimentos como leite e cereais; Essas adaptações dependem em grande parte da linha evolutiva de cada pessoa. Por exemplo, os europeus são mais resistentes ao diabetes tipo 2 graças à sua maior resistência aos grãos, adquirida por sua história como sociedade agrícola pioneira; em tempos de escassez de alimentos, se eles não fossem capazes de sobreviver com esses alimentos, eles não poderiam transmitir seus genes.

Atualmente, diferentes sociedades aborígenes contemporâneas têm sido investigadas e ainda preservam um estilo de vida e dieta semelhantes aos dos antigos caçadores-coletores; muito poucos casos de doenças da civilização (diabetes, doenças cardiovasculares, hipertensão, depressão, alergias, câncer) ocorrem neles, mesmo em idades avançadas. Por exemplo, a sociedade do Tsimane da Bolívia, geralmente apresenta em seus adultos com mais de 75 anos de idade uma saúde cardiovascular equivalente a um adulto de 50 anos vivendo em uma sociedade ocidental.

Hoje em dia existem muitas abordagens dogmáticas sobre a alimentação, existem aquelas que apontam as proteínas como nocivas, aquelas que consideram as gorduras como o próprio diabo, aquelas que culpam os carboidratos pelos males modernos, aquelas que pensam que devemos apenas comemos o que comíamos há 10.000 anos e até aqueles que dizem que nem tudo importa porque tudo são calorias. Dessa forma, diferentes tipos de dietas estão se tornando moda, a dieta paleolítica, a dieta integral30 ou a mediterrânea; gerando uma classificação dos alimentos entre permitidos e proibidos.

A verdadeira base da pirâmide alimentar: Legumes, carnes e verduras. 100% comida de verdade.

Limitar ou suprimir nutrientes sem levar em conta o meio ambiente, nossos genes e nosso nível de atividade física, é um erro. Do ponto de vista evolutivo, nunca foi assim; Sabe-se que a quantidade de carboidratos consumidos variou de acordo com a época do ano e a região do mundo onde a população estava instalada. Da mesma forma que se sabe que todas as sociedades ancestrais consumiam algum tipo de carne, mas não é verdade que em tudo isso representava a base de sua dieta, algumas consumiam outros produtos de origem animal (ovos ou insetos) e uma grande variedade de tubérculos, vegetais e frutas responsáveis ​​por mais de 70% de suas calorias totais.

Alicerçar a nutrição na abordagem evolucionária é o nosso ponto de partida para melhorar nossa saúde, mas devemos nos libertar daqueles dogmas que não nos ajudam a aprender ou progredir. A ideia é entender o que nossos genes esperam e chegar o mais próximo possível deles sem sair de nosso ambiente moderno. É claro que as frutas silvestres fornecem mais nutrientes do que as cultivadas em estufas e que a carne disponível em nossos açougues não provém dos animais silvestres que caçamos; mas estes estão muito mais próximos de suas versões ideais do que biscoitos com sabor de frutas ou um bife de seitan.

Já que o ultraprocessado é simples, quanto menos comermos melhor. Não os ter em casa ou o mínimo possível é o primeiro passo para nos libertarmos do seu poder viciante. Se realmente tivermos um desejo, teremos que ir atrás deles, assim podemos diferenciar um impulso de um desejo real. Sempre há um bom motivo para consumi-los; Mas é preciso ter muita clareza sobre os “bons motivos”, um jogo do nosso time de futebol não é um bom motivo. Saboreie uma cerveja, uma pizza ou um bom prato de massa num encontro de amigos, num aniversário, numa festa ou apenas numa saída à noite; são ocasiões excelentes. Comer 10% de fast food não vai arruinar nosso físico, não é uma regra, é a exceção. Isso seria ocasional, NÃO o usual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *